fbpx

Segurança no trabalho: acidente típico e atípico

Toda pessoa que trabalha está exposta a riscos diários em seu ambiente de trabalho. Entre eles, a possibilidade de acidentes, doenças ocupacionais e, até mesmo, a morte. A princípio, a diferença é que cada tipo de empresa expõe a pessoa a graus de riscos distintos. Por exemplo, esses podem ser típicos e atípicos.

Antes de entrar mais nesse quesito, vale dizer que a segurança no trabalho  contribui para um ambiente seguro e sadio. Além do mais, ela previne doenças e acidentes de trabalho.

Quer proteger a sua equipe e se destacar no mercado quando o assunto é saúde e segurança? Então, conheça as nossas soluções!

Acidente típico X acidente atípico

Antes de mais nada, é preciso entender que acidente de trabalho é o que ocorre em virtude do exercício a serviço de empresa. Então, ele pode provocar lesão corporal ou perturbação funcional. Além disso, podem causar perda ou redução da capacidade para o trabalho ou a morte.

Sabendo disso e de como isso pode impacta a segurança no trabalho, vale pontuar que os acidentes se dividem em dois grupos: típico e atípico.

Acidente de trabalho típico

O acidente de trabalho típico, acidente tipo, macro trauma ou acidente em sentido estrito é aquele cujas causas são passíveis de identificação dentro do ambiente laboral. 

Trata-se de um acidente que pode ser evitado, por exemplo. Isso tendo em vista que os riscos são fruto da própria atividade. Em outras palavras, é um acidente que ocorre na própria execução do trabalho, sendo previsível e corriqueiro. 

Para entender melhor, basta ter em mente um marceneiro que acaba por serrar o próprio dedo. Ou mesmo alguém da construção civil que se corta com uma máquina enquanto trabalha.

Acidente de trabalho atípico

Por sua vez, o acidente atípico é mais difícil de perceber. São aqueles “acidentes” que não necessariamente são fruto das atividades exercidas dentro da empresa. Mas que, ao mesmo tempo, têm a ver com as condições e o ambiente de trabalho.

Exemplo disso são as doenças ocupacionais, como é o caso do Burnout. Nesses casos, o nexo causal tende a ser muito mais sutil. Igualmente, a comprovação é mais delicada. Isso porque as doenças ocupacionais podem ser observadas ao longo do tempo, mesmo que o colaborador já esteja distante do ambiente de trabalho. 

É preciso dizer que essas doenças se dividem em dois grupos, sendo: doença profissional e doença do trabalho. Mas qual a diferença? Simples. 

A doença profissional é aquela específica ao exercício ou à profissão, desenvolvida devido à atividade. Um exemplo fácil é pensar em doenças pulmonares que surgem pelo contato direto com vapores e gases nocivos.

Outros exemplos são:

  • síndrome do pânico;
  • cânceres por conta de exposição a produtos químicos;
  • exposição ao chumbo;
  • estresse;
  • síndrome de Burnout;
  • LER (Lesão por Esforço Repetitivo);
  • DORT (Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho);
  • problemas de visão etc.

Já a doença do trabalho é fruto das condições de trabalho, mas não necessariamente delas decorrentes. Sabe aquela pessoa que desenvolve surdez devido a um local com muito barulho? Ou aquele outro que carrega muito peso e, com o tempo, adquire uma doença na coluna? Então. 

Mais exemplos de doenças do trabalho:

  • perda da visão;
  • depressão;
  • doenças causadas por vírus ou bactérias, por conta da exposição a locais insalubres.

Além disso, podemos entender como acidente atípico aquele imprevisto que ocorre entre o trajeto do trabalho até a casa do funcionário, como ser atropelado.

Consequências dos acidentes para a segurança no trabalho

A princípio, acidentes de trabalho trazem consequências diretas para o acidentado, já que resulta em ferimentos graves ou incapacidades. Contudo, eles também podem trazer danos às empresas. Então, entre os malefícios, podemos destacar:

  • Aumento de despesas. Além dos custos do acidente, a empresa talvez precise contratar uma outra pessoa para fazer a tarefa do acidentado;
  • Queda da produtividade do colaborador e de toda a equipe. O funcionário pode precisar se afastar, perder dias de trabalho e isso ainda impacta em toda a equipe;
  • Comunicado à Previdência. A empresa tem a obrigação de prestar esclarecimento à Previdência Social em caso de acidentes de trabalho;
  • Indenização.

Sabendo disso, é preciso entender que segurança no trabalho é investimento e não custo. É necessário reconhecer atos e condições inseguras e trabalhar, de forma otimista, para eliminar o risco

Como a MAPA pode ajudar a prevenir acidentes e contribuir para a segurança no trabalho?

Sabendo que acidentes dentro do ambiente de trabalho podem gerar custos graves na vida do acidentado, bem como consequências para a empresa, é preciso apostar na prevenção.

Para ajudar a empresa com boas estratégias, que tal conhecer uma ferramenta de análise de pessoas? Um teste onde você pode mapear, de forma ampla, traços de personalidade do seu colaborador?

O teste  de personalidade MAPA é um instrumento que identifica traços inatos e adquiridos de uma pessoa. Em síntese, ele analisa as características, formas de ser, pensar e agir no mundo, de acordo com diferentes situações. Tudo isso sem deixar de lado o contexto.

Podemos dizer que o nosso teste, aprovado pelo CFP, é capaz de  identificar riscos de acidentes por meio de dados. Além disso, ele ajuda a empresa a pensar em ações em prol da segurança no trabalho. 

A fim de prevenir acidentes típicos ou atípicos, o teste traz as características pessoais de cada um dos avaliados. Nesse sentido, essas podem prevenir ou contribuir com o envolvimento do colaborador em acidentes.

Teste de personalidade e segurança no trabalho

Quando falamos em segurança no trabalho e prevenção de acidentes, o teste psicológico avalia um grupo de competências voltado para a exposição ao risco. 

Na avaliação, busca entender as disposições de comportamento de determinada pessoa na sua rotina de trabalho. Qual a sua disposição física? Quais as habilidades de cada um? Isso, claro, sem deixar de lado o seu contexto histórico. Afinal, somos sujeitos biopsicossociais.

O teste gera indicadores que são capazes de nos dizer quais comportamentos daquela pessoa são vistos como precipitados ou imprudentes. 

Da mesma forma, a análise de competências também analisa os aspectos emocionais. Ou seja, quanto um comportamento pode ser visto como negligente? A pessoa possui traços de ansiedade, depressão ou tendência ao consumo de álcool?

Exposição ao risco

Em suma, o teste de personalidade verifica a disposição e o gosto da pessoa de se envolver em situações de risco. Além disso, o teste é avaliado através de uma escala corporal e de risco. Os seus resultados geram indicadores de comportamentos propensos a se envolver em acidentes.

Resultados

Os resultados gerados trazem informações que facilitam tomadas de decisão. Da mesma maneira como permitem:

  • Alinhamento nos momentos de contratação;
  • Recolocações internas;
  • Construção de planos de desenvolvimento;
  • Alinhamento de fit cultural;
  • Construção de diagnósticos;
  • Entendimento a comportamentos de risco.

Nesse sentido, mais do que auxiliar na garantia da segurança no trabalho, o teste fornece informações  cruciais. Elas se referem aos potenciais e pontos a melhorar de cada um dos membros da equipe. 

Isso sem deixar de entender o momento dos colaboradores. Em outras palavras, é preciso ver não somente fatores de risco para aquele contexto e setor. Mas, também, o que funciona como fator protetivo. Ou seja, o que pode impactar na promoção de um ambiente sadio e seguro.

Neste período de pandemia, que deixou as pessoas bastante abaladas, há muito o que melhorar e/ou progredir.

Por fim, quer saber mais sobre as nossas soluções? Deseja ter acesso a resultados profundos com base em ciência e dados? Converse com a gente!

Wanessa Viegas

Compartilhe:

Leia em primeira mão

Assine nossa Newsletter

Receba nossas novidades em sua caixa de email. Não enviamos span.

Artigos Relacionados